Masturbação

outubro 5, 2012 in Sem categoria

 

Por definição, a masturbação é o ato de estimular os órgãos genitais, manualmente ou por meio de objetos, com o intuito de obter prazer sexual. O termo foi criado pelo médico inglês e fundador da psicologia sexual, Dr. Havelock Ellis, em 1.898. Foi formado pela junção das palavras do latim manus, que significa “mãos”, e turbari, que significa “esfregar”, para significar “esfregar com as mãos”.

Este assunto é muito presente nos círculos masculinos, mas ainda muito pouco nas rodas femininas. Ou seja, a grande maioria dos homens se masturba e inclusive não tem problema em expor isto. Já entre as mulheres a situação é bem diferente. Como muitas delas não comentam ou até mesmo não assumem, é difícil quantificar. Na terapia sexual a masturbação é um assunto muito relevante e bastante investigado, e de fato venho constatando em meu consultório que muitas mulheres nunca exploraram ou até mesmo tocaram sua região genital.

Vamos voltar um pouco na história para entender como surgiram os mitos e preconceitos que existem ainda hoje a respeito deste tema. Com a chegada da cultura judaico-cristã ao Ocidente, iniciou-se um processo de repressão à masturbação, por motivos morais e religiosos. Este fenomeno teve dois grandes responsáveis: a Igreja Católica e a Medicina. A descoberta do espermatozoide, em 1677, motivou a Medicina a se associar à Igreja Católica para qualificar a masturbação como uma doença abominável e um mal moral, pecado grave que devia ser punido, algumas vezes até com pena de morte, uma vez que o espermatozoide veio a ser considerado como um bebê em miniatura. A repressão da masturbação foi, consequentemente, uma regra do Século XVII ao XIX. É importante salientar que, se a masturbação era reprimida para os homens, ela era impensável para as mulheres. Por isso ainda vemos com frequência mulheres que desconhecem suas áreas genitais e consequentemente acabam não desfrutando dos prazeres que seu próprio corpo pode lhe dar.

Criaram-se então mitos sem fundamento científico e fortemente negativos acerca da prática da masturbação visando desencorajar o ato nos jovens, o que desencadeou culpa, medo e recalcamento em muitos deles. Ainda vejo com muita frequência, em praticamente todas as escolas onde dou aula de sexualidade, os jovens perguntarem se a masturbação faz mal, se causa espinhas, se aumenta a quantidade de pelos e ainda se ela é normal somente para os meninos. A música do Armandinho que eu trouxe para ilustrar este tema aborda, de forma divertida, alguns destes mitos e crenças.

No início do século XX surgiram novos estudiosos como Sigmund Freud, Kraft-Hebing e Havelock Ellis, com novas linhas de pensamento que levaram a uma visão diferente da masturbação, onde ela não era vista como doença ou pecado. Mas foi somente no final do século XX que os profissionais de saúde chegaram ao consenso de que a masturbação é normal. Hoje, nós, especialistas em sexualidade, consideramos a masturbação algo sadio, tanto para homens quanto para mulheres. Vemos como uma forma de autoconhecimento do corpo, que pode levar a uma sexualidade mais feliz, pois as pessoas que conhecem seu corpo sabem onde e como sentem mais prazer, podendo levar esta autodescoberta aos seus relacionamentos. Como se não bastasse, a masturbação é também uma maneira de descarregar tensões acumuladas e uma excelente forma de se ter prazer.

Agora que conhecemos um pouco mais sobre este assunto, mãos à obra!

Ó Pai

Armandinho

Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!…(2x)

Eu sou desafinado
Sim senhor!
Mas não tem problema
Pois eu toco por amor
Não tenho namorada
Ainda não!
Por isso todo dia
Nasce um pelo na minha mão
Cantando no banheiro
Eu sou feliz
Só saio lá de dentro
Com uma espinha no nariz
A minha mãe bate na porta
Antônio Armando!
O quê que você fez
Que a empregada
Tá chorando…

Oh pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você pra mim
Então relaxa
Que o teu filho tá normal
Oh Pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você pra mim
Fica na boa
Que o teu filho tá normal…

Eu sou desafinado
Sim senhor!
Mas não tem problema
Pois eu toco por amor
Não tenho namorada
Ainda não!
Por isso todo dia nasce
Um pelo na minha mão
Cantando no banheiro
Eu sou feliz
Só saio lá de dentro
Com uma espinha no nariz
A minha mãe bate na porta
Antônio Armando!
O quê que você fez
Que a empregada
Tá chorando…

Oh pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você pra mim
Então relaxa
Que o teu filho tá normal
Oh Pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você pra mim
Fica na boa
Que o teu filho tá normal…

Antônio Armando!
O quê que você fez
Que a empregada
Tá chorando…

Oh pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você pra mim
Então relaxa
Que o teu filho tá normal
Oh Pai!
Na minha idade
Você também era assim
A minha tia caguetou
Você prá mim
Fica na boa
Que o teu filho tá normal…

Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Oh Pai!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Oh Pai!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Oh Pai!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Oh Pai!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Nã Nã Nã! Nã Nã Nã Nã!
Oh Pai!